Como vês a Alice Caymmi!

Ela teve sua primeira gravação profissional aos 12 anos, Seus Olhos, música escrita por sua irmã, e apresentou a mesma diante de um Canecão lotado. Naquela época, era difícil imaginar que se tornaria uma das maiores potências dentre as musas da nova MPB. Com vocês: Alice Caymmi

No percusso ainda deu tempo de estudar um ano de direito e cursar artes cênicas, talvez isso tenha ajudado a dar à moça, a segurança e firmeza que sentimos ao escutá-la.

Seu primeiro álbum foi lançado em 2012 [Alice Caymmi], repleto de composições da própria artista e alguns parceiros. Mas nos hipnotiza ao ser fechado com uma regravação da Björk. Isso mesmo! Björk!!

Rainha dos Raios chegou dois anos após Alice debutar no mercado fonográfico. Dessa vez, ela apostou em regravações, e preferiu manter apenas duas composições autorais. E no álbum tem de Caetano Veloso à Mc Marcinho. Segundo a cantora, isso se deu pelo fato de ela ter passado por mudanças e que já nem apresentava, em seus shows, as músicas do primeiro álbum.

E disse mais: “ O meu grande desafio é criar uma estética artística forte em um país difícil de interpretar. Um país com história negra e indígena, um país colonizado, sofrido. Ser artista no Brasil é quase ser um antropólogo.

 

O fato é que, depois desse álbum, a coisa mudou mesmo. O trabalho dela ganhou notoriedade depois de ter uma das canções em trilha de minissérie Global, levando-o a ser indicado em premiações, figurar entre os melhores álbuns na época do lançamento.

Sobre o nome do álbum, ela explica: “Tem um orixá que é a rainha das tempestades. Ela é a verdadeira rainha dos raios. No disco, sou uma versão moderna dela.”

E prestes a lançar um clipe novo [Homem], onde dança pole dance, e a lançar seu primeiro DVD, Alice faz vários shows pelas cidades do Brasil, levando sua rebeldia/ousadia, vozeirão, forte presença de palco e um nome de peso nas costas!

Fiquemos atentos!