Sam Smith faz um dos melhores shows do Rock in Rio

De visual bem descontraído, com camisa com tema floral que pode ter sido da sua tia, calça jeans e um tênis sem cadarços Sam Smith entrou no palco com o hit I’m not the Only One cantado por um plateia apaixonada que surpreendeu o cantor. Já foi de arrepiar logo na primeira.

Falante e simpático o cantor seguiu o show com Together, mas em Leave your lover praticamente voz e violão arrancou choros da plateia. Da gente também!

Acompanhado de 5 músicos e 3 backing vocals o cantor animou uma plateia de mais de 90 mil pessoas completamente envolvidas pelo seu carisma e voz insuperáveis.

Sam não deixou de fora uma das canções que o tornou popular na terra da Rainha. Nirvana – faixa titulo do seu EP lançado em 2013 foi emendada com Like I Can que ficou linda linda linda ao vivo com seus fãs cantando junto. Em Restart (faixa bônus do seu álbum de estreia) rolou até coreografia com os backing vocals à beira do palco.

Ai veio a homenagem para Amy, seguindo o que o cantor já vem fazendo em seus shows por todo o mundo, com Tears Dry On Their Own em um mashup com a clássica Ain’t No Mountain High Enough, single da década de 60 do lendário Marvin Gaye. Rolou até uma menção de Le Freak. Até Cara Delevingne estava na plateia conferindo quase de boca aberta!

Cara Delevigne

Passando o bloco animado, Sam volta com Not in the Way com um mix de Falling in Love With U, do UB40 que PELO AMOR DE DEUSSSSS! Que coisa maravilhosa!

Lay Me Down veio para arrebatar o coração. Que lindo!

La La La, do Naughty Boy com voz do Sam – que infelizmente não foi sucesso no Brasil, poderia ter sido muito maior ao vivo se a canção tivesse tido sucesso por aqui. A versão de Money on My Mind que traz pequenos trechos de Finally, da Ce CePeniston, foi um dos momentos mais legais! Afinal a música é uma delícia.

Pra abrir o bis e cantar Latch o cantor pediu que todos colocassem o celular para o alto e foi atendido! Numa versão lenta a plateia acompanhou lindamente mas aí veio Make it to Me. Entrou no setlist na hora errada. Deveria ter sido antes. Não no Bis. Quebrou o ritmo entre Latch e Stay With Me.

sam smith

Stay With Me pra fechar em grande estiloso. A mais esperada. A mais conhecida. A mais cantada. E mais lágrimas rolando na plateia. Achei que seria mais épica, mas valeu mesmo assim. Houve até uma pequena confusão. O cantor pedindo para plateia cantar a música e a galera achando que tava na hora do “ôôôôô”, então parte fez o som do “o” e parte cantou.. virou uma zona uahuahha.

Apesar de grande parte de suas letras terem sido feitas por conta de uma desilusão amorosa, o show não tem nada de apático ou de triste. Pelo contrário. O cantor mostrou um show incrível. Sentimos falta de Omen, o novo hit com o Disclosure e por que não a primeira apresentação do single Writing’s on the Wall, tema do novo filme do 007? Mas e daí? Por outro lado muita gente na plateia deve estar se perguntando até agora quem é Sam Smith e acredito que o show fez um bom papel para apresentar o cantor por aqui, de fato. Sua voz, letras e presença de palco justifica completamente o porquê o cantor era tão aguardado e porque tem colecionado prêmios e recordes.

Sam a gente te ama e quer você sempre por aqui! <3 Volta logo!
 

Tagged with: