A liberdade de Selena Gomez em seu novo álbum

Não são poucos os álbuns da música pop que tem como premissa mostrar ao público aquela história de sobrevivência e superação de seu autor.

Com o Revival, novo álbum de Selena Gomez lançado no início do mês, não é diferente. Selena cresceu em frente as câmeras, estampando capas e notícias de tabloides pelos EUA, e isso a gente sabe, desconstrói qualquer adolescente, qualquer jovem, muitas são as histórias de pessoas que se perderam nisso.

Chegar então aos 23 anos, lançando seu 5º álbum (segundo em carreira solo) e com uma carreira tomando formas e se solidificando a cada dia deve ter sido uma batalha árdua. Só por isso, é capaz de entendermos bem a mensagem da cantora em seu novo álbum.

Tem também o fato de seu estranho relacionamento (pós namoro) com o cantor Justin Bieber e seu grave problema de saúde, quando a cantora foi diagnosticada com Lúpus.

Com esse “breve” introdução você já consegue enxergar uma forma do álbum. E se ainda não, basta ouvir Revival, canção que dá título ao trabalho e o inicia. Uma ótima canção, com letra forte e sincera.

Em seguida entramos em Kill Em With Kindness, uma boa música, mas poderia passar despercebida por suas batidas e assovios pra lá de clichê. Recupera-se bem em Hands To Myself, diferente, música gostosa de ouvir, não há exageros, não há nada fora do lugar.

E então chegamos ao segundo single do álbum, Same Old Love, que nas circunstâncias no qual o álbum se encontra, com músicas melhores, não é fácil entender o porque essa música foi escolhida para promover o álbum. Talvez pelo fato de ser composta pela até então hitmaker Charli XCX.

Sober é uma baladinha muito boa de ouvir, a voz de Selena Gomez se encaixa perfeitamente à canção. Assim como em Hands To Myself, aqui tudo funciona, tudo se encaixa bem.

Good For You. Não temos o que dizer sobre, ótima música, ótimo ‘first single’. A única coisa aí que não dá pra entender é a presença de A$AP Rocky, totalmente desnecessária.

Camouflage é boa, mas chega a ser cansativa. Me & The RhythmSurvivors são ótimas, aposto em uma das duas pra novo single!

Body Heat mantém o mesmo nível que é quebrado por Rise, que por sua vez, se perde nessa tracklist. Mas como Revival oscila, entre uma música que não é boa e outras ótimas, logo nos é apresentada Me & My Girls. Animada e dançante, é bem produzida, bem executada, daria um ótimo single, também!

Nobody e Perfect são ótimas baladas, mesmo a segunda se tornando chata em alguns momentos. Outta My Hands (Loco) é muito bem produzida, mas cai no clichê e soa como mais do mesmo.

E pra finalizar Cologne.Uma boa música, e só.

Por fim, o que se pode dizer do Revival, é que ele é um ótimo álbum pop. Sua produção se preocupa com o alcance vocal de Selena por exemplo, se tornando delicada nesse ponto.

É a libertação de Selena Gomez, agora mulher feita.

Nota: 70/100

Tagged with: