O Clássico Destiny Fulfilled

“Hit Me!”

E assim iniciava um dos álbuns mais importantes da música negra contemporânea. Bem, queira você ou não, eis esse fato.

Primeiro, tornou-se um dos álbuns de R&B mais vendidos dos últimos anos, ultrapassou a marca de 7 milhões de cópias vendidas mundo a fora. Segundo, carrega o fardo de ser o último álbum de inéditas de um dos maiores grupos femininos da história – segundo alguns números, estima-se que as Destiny’s Child tenham vendido entre álbuns, DVDs, singles, etc mais de 35 milhões de cópias.

https://i0.wp.com/www.celebrific.com/wp-content/uploads/2006/02/Destiny_s_Child.jpg?w=980

Ontem (15) fez-se 11 anos de lançamento do trabalho. Seus singles são entoados até os dias de hoje, fazendo do Destiny Fulfilled um trabalho tão atual, que faria praticamente o mesmo sucesso se fosse lançado hoje.

Teve quatro singles: Lose My Breath, Soldier (Feat. T.I. & Lil’ Wayne), Girl e Cater 2 U.

Foi o primeiro álbum do grupo inteiramente autoral. Beyoncé, Kelly e Michelle participaram inclusive da produção executiva do álbum (ao lado de Mathew Knowles, empresário e dono da marca). Assinaram também a co-produção da maioria das faixas.

A crítica não foi tão favorável na época: no metacritic, o álbum atingiu apenas 52 pontos. De 17 críticas, apenas 3 foram positivas e uma negativa.

Mesmo com a crítica em desânimo com o trabalho, o álbum ainda rendeu bons desempenhos em todos os charts pelo Globo. Seus singles também mantiveram um sucesso considerável.

O álbum ainda rendeu uma última turnê do grupo, a Destiny Fulfilled… And Lovin’ It Tour, de alcance mundial.

https://i1.wp.com/upload.wikimedia.org/wikipedia/pt/7/70/Destiny%27s_Child_-_Destiny_Fulfilled_And_Lovin%27_It.jpg?w=980&ssl=1

Que por sua vez rendeu um DVD, o Destiny’s Child: Live in Atlanta.

O Destiny Fulfilled por fim, marcou a música negra e os amantes do estilo musical. Até hoje é lembrado com carinho e adoração por muitos. E para nós aqui do Música Inspira, é considerado um verdadeiro clássico.

O álbum que reforça o poder da música negra.