Beach Combers pra vocês!

Diretamente da onda musical independente carioca, vamos apresentar aqui o trabalho dos meninos do trio Beach Combers!

10665778_521549261308887_7733376575809465778_n

E olha que a decisão de procurar os meninos para mostrar o trabalho deles pra vocês, foi bem por acaso. Aqui no post dos meninos do Rio, o Vincius Nesi indicou o som dos Combers, então resolvemos ver o que eles estavam aprontando.

Se trata de um trio carioca de Beat Music (surf, garagem, psicodelia, instrumental), formado pelos figuraças Bernar Gomma (guitarra), Guzz The Fuzz (baixo) e Lucas Leão (bateria).

12238148_718745634922581_319931258139610922_o

Em 2010 eles deram início a sua bem sucedida “Verão do Amor Tour 2010 / 2011”, que teve 13 shows nos 2 meses do verão no Rio, em São Paulo e interior. Todos os shows com bilheteria esgotada!!!

Querem saber mais um pouco? Vem com a gente!

MI – Como surgiu a ideia desse projeto de vocês?

BC – A banda começou em janeiro de 2009 após um reveillon onde Bernar, guitarrista dos Beach Combers, mas na época baterista pirou totalmente num disco do The Pop’s e resolveu tocar guitarra e compor seus temas. Em Novembro de 2010, após termos participado do MOLA no Circo Voador, começamos a bolar novos planos mais audaciosos, o que levou a entrada de Lucas Leão na bateria, assim o trio ficou definitivamente completo. Gravamos dois álbuns (Ninguém Segura os Beach Combers que saiu em vinil e cd e Na Brasa, volume I – web-album de tributo a Jovem Guarda, com versões instrumentais quentíssimas de clássicos do Iê-iê-iê nacional). Rodamos por vários estados do Brasil. Em 2014, começamos a tocar nas ruas do Rio, influenciados pelos amigos da Astro Venga e Dominga Petrona, assim atuando praticamente todos os dias.

 

 

MI – Quais foram as inspirações?

BC – As inspirações são muitas. Mas basicamente, The Pop’s, Os Incríveis, JetBlacks (grupos instrumentais brasileiros dos anos 60. Além de Ventures, Dick Dale e outras bandas de surfmusic gringas. Além de Sonics, Music Machine, Fuzztones e outras bandas garageiras. Ao longo dos anos, muitas outras coisas acabaram entrando na receita. Levando ao nosso som.

 

 

MI – E como vocês acham/esperam que inspiram os outros?

BC – Essa é uma pergunta difícil. Ficamos sabendo de jovens que montaram bandas após assistirem nosso show e curtirem nosso som. O que é realmente algo incrível que nos deixa muito lisonjeados. Bem, acreditamos que nosso som inspire os outros a fazerem algo que realmente gostam e com muita vontade.

 

 

Profissionalismo e loucura é o que não falta! Uma prova disso, é o vídeo que os meninos mandaram pra gente… prestem atenção nessa dublagem impecável!

 

 

Querem mais som? Solta o play, ou vem pro Rio. Com certeza, vocês vão se bater com os meninos tocando por aqui!