AQUECIMENTO GRAMMY: Billie Eilish e a maior surpresa do ano

Billie Eilish Grammy 2020

2019 foi dela, literalmente. Billie Eilish é o nome mais quente da música mundial, na atualidade, e isso tem refletido em recordes de vendas, hits atrás de hits – os números não enganam -, indicações ao Grammy, fazendo da cantora uma das recordistas da edição 2020 e lotando shows por onde passa. Mais uma consagração veio nesta terça (14/01), ao ser anunciada como a compositora e intérprete da canção tema do novo 007, previsto para ser lançado ainda neste semestre.

UMA NOVATA NEM TÃO NOVATA ASSIM 

Quem olha a carreira de Billie Eilish e a vê apenas como a maior surpresa do ano, não sabe que a jovem já vem desde 2016 lançando músicas e fazendo  turnês enquanto planejava seu primeiro disco. Mas ao longo destes anos, Billie era conhecida apenas por quem buscava algo diferente na música pop e, ainda assim, a garota ainda passava um tanto quanto despercebida, tendo seu futuro sucesso posto a prova diversas vezes.

Antes de 2018 terminar ainda, foram lançadas outras canções para divulgar seu primeiro disco e, por mais que essas faixas ajudassem a criar um buzz em torno do seu nome, Billie se tornou um verdadeiro fenômeno fonográfico.

Seu debut album, When We All Fall Asleep, Where Do We Go? logo se tornou um dos discos mais vendidos de 2019, um dos maiores sucessos nas plataformas de streaming em todo o mundo e forte candidato a, por exemplo, disco do ano na próxima edição do Grammy.

BILLIE EILISH, sucesso com a crítica

Se a gente fosse eleger “O nome” do ano passado na música, provavelmente teríamos um ou outro nome em mente, mas o de Billie seria quase certo nas primeiras posições. Se bem que, pensando bem, Billie Eilish roubou toda cena para ela em 2019!

Acompanhado do sucesso, vem as críticas e protestos perante a incansável, incontrolável e, por muitas vezes, injusta internet. Billie não escapou e sofre do mesmo mal que muitas cantoras ditas como “indies” sofrem: são exaltadas, elogiadas, tidas como promessas e perfeitas, mas só caso se mantenham assim, como promessas.

A crítica do público não perdoa! Por ter uma voz que a diferencia em meio a tantas vozes muito mais potentes, suas músicas chegaram a ser subestimadas. Seu disco, motivo de piadas, de chacota.

Mas se parte do público mantém essa birra, os especialistas em música se rendem. O disco, lançado em 29 de março, acumula 82 pontos no agregador de críticas Metacritic, uma das maiores pontuações do ano, baseando-se em 21 críticas. E o álbum apareceu em diversas listas de melhores discos do ano.

When We All Fall Asleep, Where Do We Go?

When We All Fall Asleep, Where Do We Go? talvez não esteja na lista de melhores discos do ano de muita gente e de muitos site – nossa lista por exemplo. Mas é fato que o disco marcou 2019 e ainda é um dos candidatos a se tornar um grande clássico nos próximos anos.

Billie-Eilish-and-Finneas-OConnell
Billie Eilish e o irmão Finneas O’Connel – Foto: Reprodução

Discos onde muita gente põe a mão e, sobretudo, tem o artista como coadjuvante no backstage, são de qualidade questionável por tenderem a serem mais bagunçados. São raras as exceções que se sobressaem. .

Quando discos são trabalhados por pouquíssimas pessoas, mesmo que se arrisquem a cair no comum, tendem a serem mais coesos com sua proposta inicial. Os artistas mantendo o controle sobre os caminhos que seus discos tomarão, se mantém fiéis ao conceito e, principalmente, ao seu trabalho no geral.

Billie Eilish sabe muito bem disso e, ao lado do irmão FINNEAS, escreveu, arranjou e produziu cada uma das faixas do álbum. FINNEAS ainda assume os vocais de apoio, baixo, guitarra, percussão, piano, sintetizadores e a produção executiva.

faixa a faixa

O disco abre com a, digamos, inútil !!!!!!!, que serve mesmo como apenas uma introdução. Em seguida partimos pro carro chefe do disco, o mega hit e rica Bad Guy, onde ela se assume como um cara mal, ao tempo que questiona algumas ideias e padrões de gênero – seu vídeo ainda traz !!!!!!! como introdução.

Xanny foi a escolhida de Billie pra encerrar uma fase, sua era com seu primeiro disco. Uma das faixas mais densas da tracklist, Xanny debate sobre o mal uso de drogas recreativas. Seu nome faz referência ao Xanax, conhecido medicamento para o tratamento de ansiedade, popularmente usado recreativamente. A canção ainda traz uma mensagem forte sobre “estar seguro”, sobre a importância de se cuidar acima de qualquer mensagem tidas como “anti-drogas”.

You Should Se Me In A Crown era tida como o principal single do disco, tendo sido lançada em julho de 2018, 9 meses antes do lançamento do disco. Curiosamente, a faixa passou despercebida, mas serviu pra despertar ainda mais curiosidade sobre Billie. Se esse era o objetivo não sabemos, mas nesse ponto, é uma das canções mais eficientes.

All The Good Girls Go To Hell é, ao meu ver, a faixa mais curiosa de todo o disco. Ela é bem fraca em sua produção, trazendo nada de diferente do que ouvimos na música pop, porém traz um dos melhore videoclipes do ano passado e uma “mensagem potente sobre mudanças climáticas”, segundo FINNEAS.

Em Wish You Were Gay, Billie reage após ser rejeitada por um garoto, onde ela apenas busca um motivo que não seja ela mesma. When This Party Is Over, a faixa seguinte, foi a escolha de Billie e sua equipe como segundo single do disco, é a mais introspectiva e também a melhor construída. Nos faz lembrar o que já ouvimos com Birdy ou Gabrielle Aplin.

é a faixa mais fraca. Em meio a seus vocais distorcidos, uma produção e arranjo até interessante e uma participação “maior” de FINNEAS. Na sequência vamos a mais criativa, My Strange Addiction, com um diálogo introdutório extraído da série The Office US, série de TV favorita da cantora.

Bury A Friend, que também foi single antes da estreia do álbum, é a faixa que vem na sequência. Outro grande ato do disco e talvez a que explique melhor o trabalho, citando dentre seus versos do refrão o título do mesmo. Na faixa ela ainda se inspira em um “suposto monstro” embaixo de sua cama. Lembra da arte da capa e contra capa do disco?

Em Ilomilo ela se arrisca um pouco mais, se testa e se aprova. Nas faixas finais vemos uma sequência de canções mais introspectivas, mais íntimas. Listen Before You GoI Love You Goodbye, essa mais curta que o normal, é um apanhado de todas as faixas, unindo versos de todas elas em apenas uma canção, uma despedida apenas do seu grande e rico trabalho.

Um disco, inúmeras referências

Billie Eilish ainda tem apenas 18 anos, mas é uma artista rica em referências e capacidade de criar com embaçamento e, principalmente, inspirações em outras obras.

O filme Babadook, dirigido e roteirizado pela australiana Jennifer Kent, é um dos maiores clássicos do terror do cinema moderno, exaltado, elogiado e referenciado, principalmente por Billie. Toda a estética de Billie foi inspirada no que ela chama de “um dos seus filmes favoritos de todo o mundo”. Além do filme australiano, ela ainda se inspira em vícios, jogos de quebra cabeça, séries de TV.

Billie entrega um dos melhores discos do ano e não há nada mais que acrescentar ou retirar. É coeso, simples, direto, usa de referências sem parecer exagerado. Fez sucesso com crítica, público – de certa forma – e ainda com o mercado fonográfico.

É excelente em sua execução com faixa potentes e bem trabalhadas, tendo até uma estética prática, simples e muito funcional em seus videoclipes. Billie Eilish, ao lado do seu irmão FINNEAS, fez o que muita gente de anos de estrada sempre tentou fazer: um disco eficiente!

Recordes de billie eilish

Ainda falando sobre os efeitos de When We All Fall Asleep, Where Do We Go?, Billie Eilish conseguiu feitos interessantes para uma cantora tão nova.

Dezesseis anos após Avril Lavigne colocar seu disco Let Go, de 2003, o primeiro de sua carreira, no topo dos álbuns mais vendidos no UK quando tinha apenas 18 anos de idade, Billie fez o mesmo com seu primeiro disco, entrando para o Guiness Book, o livro dos recordes, como a cantora mais nova a atingir o primeiro lugar na parada de álbuns daquela região. Quando lançou When We All Fall Asleep, Where Do We Go?, a cantora tinha apenas 17 anos.

Além do recorde no UK, Billie Eilish debutou 12 faixas de seu disco na Hot 100, principal parada de singles da Billboard. Mas a surpresa ainda estava em ter outras duas canções – de fora do seu disco de estreia – Ocean Eyes Lovely, parceria com Khalid, ao mesmo tempo no ranking fazendo da cantora uma das recordistas da Billboard com 14 canções, ao mesmo tempo na parada.

E no Spotify, um dos principais termômetros do que faz sucesso atualmente e um dos principais veículos de divulgação de seu próprio sucesso, Billie também não se sairia por menos. When We All Fall Asleep, Where Do We Go? foi o disco mais executado de 2019 na plataforma – tendo o mega hit Bad Guy como a segunda canção mais executada do ano. E pra finalizar, Billie ainda aparece como uma das 10 mulheres mais executadas na década!

Pelo jeito a gente tem muito ainda a ouvir de Billie Eilish! Manda mais, Billie.


Ouça:

 

Tagged with: